segunda-feira, 13 de abril de 2009

Legado do feriadão!

Mais um feriadão se passou! Morremos mais 4 dias - menos quatro dias para se viver.
Feriado é sinal de tempo ocioso. E é no tempo ocioso que dá vontade de brincar (gosto de dizer brincar quando quero falar pensar - o que nao deixa de ser uma brincadeira).
Esse feriado me rendeu uma boa brincadeira e, agora, é hora de guardar os brinquedos no balde. Por isso não estranhe se o texto estiver confuso: estou guardando os brinquedos sem ordem.

Tinha comigo uma tese: quando a resposta de tal pergunta está tão dificil de ser achada é por ela propria é tão obvia, mas tão obvia e está tão debaixo dos nos olhos que nos recusamos a aceita-la.
Tenho uma outra tese: Nós confudimos o que nós queremos que aconteça com o que realmente possa acontecer. O exemplo vem logo agora.
Juntando essas duas teses cheguei a conclusão de que nao existe vida após a morte! É. Nós queremos que exista e passamos a acreditar nisso. E outra que somos animais como todos os outros, o que nos privilegia de tal bonus (se é que 'viver' eternamente é um bonus)?

Acabei de ler um livro muito do bom. É uma coleção das 100 melhores cronicas de todos os tempos! E na cronica deleitosa Ter ou Não Ter Namorado, Artur da Távola chega e diz: "Se você não tem namorado é porque nao enlouqueceu aquele pouquinho necessario para fazer a vida parar e, de repente, parecer que faz sentido". A vida só faz sentindo com um amor ao lado! Sim! Outro rendimento desse feriado foi essa descoberta.
"A morte torna tudo inutil". Mas acrescento: E o Amor retorna a utilidade das coisas.

"Pelas alegrias da vida pagamos tão caro, que nao sei se seria melhor que fossemos sempre infelizes". Marques Rebelo. Mas o Amor é a maior alegria da vida. Se paga muuuito caro - as vezes nem tanto - e vale tanto a pena!
_

No mesmo livro. Um cronica imortal do Vinicius de Moraes. Chorinho da Amiga.
Esqueci de dizer que dedico esse paragrafo a uma certa pessoa.
Voltando. A cronica é curtissima mas é tão pesada. Tão densa!
Vale a pena le-la.
Em certo momento, acredito que no final, ele diz: "Teu amor é tão grande, parece um luar, mas lhe falta a loucura do meu".
E voltando àquela mesma cronica do Artur da Távola. Ele encerra aconselhando: "Enlou-cresça".
_

Os brinquedos, agora, já estão no balde. Sei que nao guardei todos. Sempre esqueço um ou outro para traz ou debaixo do tapete. Mas se eu achar algum eu volto e conto pra vocês.
_

"Hoje o tempo voa, amor. Escorre pelas mãos"
"Enlou-cresça"

2 comentários:

Vivian disse...

Meeeeeeuu Deus!
Não sabia, tenho um amigo escritor;
Parabéns (não sei se essa seria a palavra certa, mas!).
Muutio bom mesmo!
Vivian [Canuto]

Prof edu disse...

digo que fiquei lisongeado de saber que meu garoto sabe Interpretar o que está escrito sem deletrear as palavras,Apossar-se do sentido de (o que ouvimos ou lemos). E Produzir razões em favor da própria opinião (refutando a contrária).discretear aquilo que pensa fico Feliz abraço Edu!!!